sexta-feira, 30 de setembro de 2011

2ª semana de aulas - a habituação

A quê? A tanta coisa que nem sei por onde começar, mas posso revelar aquilo que mais me tem custado nestes últimos dias - inalar o cheiro a suor alheio. Nunca me passou pela cabeça que iria dar aulas em Setembro [e provavelmente em Outubro também] como se do mês de Julho se tratásse. Primeiro porque tenho tendência a criar a ilusão - falsa - de que as férias estão quase aí e não, não é verdade e depois porque cinco minutos de porta fechada são suficientes para sentir um ardor nas narinas. Se a solução não pode passar pelas janelas, que estão lá mas são mentira, tem de passar pela porta. Pouco me importa que a minha aula se espalhe pelo corredor e se misture com a matemática ou as técnicas de não-sei-quê. Estou a ensinar três turmas ao mesmo tempo e devia era ser paga a triplicar!
Outro desafio é ter três turmas seguidas para onde vou desbobinar o mesmo parlapiê sem me entaramelar toda no último tempo lectivo. Sabe deus o esforço que eu faço e sabe a funcionária do bar os cafés que tomo.
Haja coração e uma brisa fresca também calhava bem!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

...

Ainda bem que o dom da adivinhação é uma cena que a mim não me assiste. Caso contrário hoje de manhã tinha adiantado o relógio 24 horas e poupava-me a um dia detestável, desprezível de... de merda!

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Simples

Presidir a uma reunião implica dominar a técnica do poder de síntese. Ao fim de uma hora de parlapiê e mau domínio das novas [mas pouco inovadoras] tecnologias já só conseguia pensar nos bifes panados do jantar, nas fotocópias que impreterivelmente tinha de deixar na reprografia e na padaria. Deus me livre que a falta de eloquência de uns leve à falta de pão no meu pequeno-almoço logo pela manhã.

De pausa em pausa


Entre aulas que se vão preparando, entre editoras que não me atendem o telefone, entre alunos que se inscreveram no curso mas ainda não compareceram às aulas, entre programas novos para disciplinas velhas, entre motivação e responsabilidade, entre roupa no estendal e lista de compras a fermentar em cima do balcão da cozinha, entre tudo e a propósito de nada há ameixas. Doces, sumarentas e de casca crocante. Gostava de dedicar-lhes mais tempo, mas há uma reunião mais logo marcada de ontem para hoje bem ao meu gosto...

Dia do coração


O meu coração podia passar o dia aconchegadinho entre deliciosas trincas e doces aromas. Eu não escolhi dar-me bem com os tachos, eles é que me escolheram!

sábado, 24 de setembro de 2011

Prova superada

Filetes de linguado com esparguete, tapioca doce e uns supiros inventados à última hora para evitar que umas sobras de claras em castelo acabassem no lixo. Tudo numa hora e quinze minutos.
Parece que me portei-me bem, pelo menos ganjeei uns elogios.

Mais uma facada...

Onde é que esconderam o voo TAP da meia noite e tal de sexta-feira, mais propriamente madrugada de sábado, que liga o Funchalinho ao Porto do meu coração?!?!?
Assim não nos entendemos, senhores... Não mesmo.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Ai mau Maria!

É sempre tão bom quando somos nós a lembrar o chefe dos compromissos que, pela ordem normal das coisas, seria ele a comunicar-nos com as devidas 48 horas de antecedência.
Valha-me a santa sexta-feira!

domingo, 18 de setembro de 2011

Orifícios, covas, valas e afins

Tenho para mim que o homem ainda vai tirar dividendos em proveito próprio deste carnaval antecipado.
Oxalá eu me engane.
Mesmo.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Mais surpresas e outra vez das boas


Dou-me muito bem no meio dos livros [nunca se notou, pois não?!] por isso, ao contrário das pessoas que se sentem sufocadas em bibliotecas, eu sinto-me extraordinariamente bem. Pode ser uma biblioteca qualquer, mais moderna, mais antiga, mais convencional, mais ou menos organizada. Gosto de cirandar entre prateleiras, de procurar os livros por minha própria mão e de deixar levar-me por autores e títulos desconhecidos. Há dias entreguei uma manhã à biblioteca da região e regressei a casa com a alma cheia pela surpresa de ter encontrado um espaço bem agradável e pelas memórias da biblioteca com a vista mais fabulosa de todos os tempos - a da minha faculdade na invicta cidade!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Lições Práticas

"Há horas que é de hora a hora e há horas que é de meia em meia hora."
Nunca desdenhe uma oportunidade de dar uma voltinha num qualquer autocarro da sua cidade. Por mais incrível que possa parecer irá aprender alguma coisa que um dia lhe parecerá digna de mérito.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

...


Contam-se pelos dedos de uma mão as vezes em que eu não regresso à ilha constipada, engripada, com tosse ou qualquer coisa avariada do pescoço para cima. Muito bom, especialmente nestes dias de trinta e muitos graus em que por si só respirar cansa.

domingo, 4 de setembro de 2011

Das surpresas boas


Ficou-me a curiosidade aguçada para este autor desde a Festa do Livro lá na ilha. Já na terrinha lembrei-me de dar uso ao cartão da biblioteca municipal. Levava os nomes de dois autores na cabeça e entrei com a certeza de que ia demorar uma vida a encontrar qualquer deles. Decidi-me a pegar no primeiro que encontrasse e, sem muitas esquisitices, requisitava-o e logo se via. Uns dias depois, no ritual de abrir a primeira página e começar a ler, deparei-me com a surpresa bem boa por sinal.

sábado, 3 de setembro de 2011

Sinais dos tempos #2


A coisa mais maravilhosa de remexer gavetas [principalmente as gavetas do nosso quarto em casa dos pais] é encontrar roupa velha que num instantinho passa a nova. Parece que cheguei agora do centro comercial!

sexta-feira, 2 de setembro de 2011